DEMOCRACIA Y JUSTICIA

DEMOCRACIA É NOSSO LEMA!
JUSTIÇA É O NOSSO PROPÓSITO
A PAZ O NOSSO OBJETIVO.!

LA DEMOCRACIA ES NUESTRO LEMA
LA JUSTICIA NUESTRO PROÓSITO
LA PAZ NUESTRO OBJETIVO!

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Alerta Total: Perigo Comunista?

Alerta Total: Perigo Comunista?: Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net Por Sérgio Alves de Oliveira Tocarei num ponto deveras delicado. O dilema será desve...

Sofri perseguição de ambas ditaduras,direita e esquerda.Fui guerrilheiro sandinista e dirigente estudiantil.O que foi publicado está escrito no Best´Seller futurista do George Orwell,A REVOLUÇÃO DOS BICHOS. (Para nao dizer que nao avisei das flores)

sábado, 19 de julho de 2014

DEMOCRACIA E JUSTIÇA: A TRAIÇÃO DE UMA REVOLUÇÃO PARTE 2Se voce nao quer que o Brasil seja uma nova Cuba, Venezuela, Nicaragua, NAO VOTE no PT. Eu ja vi esse filme. Comente e Compartilhe! Para nao dizer que nao AVISEI das flores

DEMOCRACIA E JUSTIÇA: A TRAIÇÃO DE UMA REVOLUÇÃO PARTE 2: A “revolução” sandinista que levou ao poder o atual ditador da Nicarágua, Daniel Ortega, fez 35 anos hoje....

Alerta Total: As formas de luta pelo poder: a forma pacífica

Alerta Total: As formas de luta pelo poder: a forma pacífica: Participei, infelizmente, da dita Revolução Sandinista. Hoje 35 anos após a maioria dos que sobrevivemos estamos completamente arrependidos pois em nome do socialismo e da ditadura do proletariado colocamos um grupo mais corrupto que o governo de direita de Anastasio Somoza. Aconteceu a mesma coisa do romançe profético "A REvolução dos Bichos" de George Orwell. No Brasil irá acontecer a mesma coisa se o PT ganhar. Eles estao tomando o poder pela via pacifica mas depois nao vao querer largar. Para nao dizer que nao AVISEI das flores.!

quinta-feira, 24 de abril de 2014

sexta-feira, 18 de abril de 2014

sábado, 7 de setembro de 2013

INTERVENÇION EN SIRIA


Somente peço a Deus, que a guerra não me seja indiferente. È um monstro grande que pisa forte.
:,” Tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas”
No momento que escrevo estes pensamentos, está ocorrendo o debate de que se os Estados Unidos invadem ou não a Síria, depois do ataque genocida do ditador daquele país, onde morreram 1400 pessoas, entre elas crianças. Os vídeos que aparecem na TV são de cenas dantescas que indigna qualquer pessoa com um mínimo de consciência humana. Estive em Managua durante o conflito que culminou com a revolução sandinista de 1979, quando houve uma verdadeira guerra civil similar, devido suas proporções, a que está acontecendo na Síria. Por um lado, o exército fortemente armado da ditadura Somocista e do outro os opositores, que éramos a maioria do povo, MAL armado e em pé de luta (os que estavam BEM armados era a chamada “Vanguarda do Povo, O FSLN”) e no meio a população civil indefensa e desarmada.
O ditador Somoza, igual ao atual Assad, desesperado por acabar com a oposição armada que se misturava com a população civil (não sei se para serem usados como escudos humanos ou não), mandava lançar, dos aviões, bombas indiscriminadamente para, supostamente, matar os insurgentes, mas na realidade os que morriam eram em sua maioria pessoas que não estavam envolvidas no conflito, ou seja a população civil!
Lembro-me perfeitamente que escutávamos as notícias que nos chegavam na rádio clandestina dos rebeldes, e desejávamos de coração e alma uma rápida intervenção dos Estados Unidos ou de quem quer que fosse, para acabar com a chacina. Hospitais eram improvisados e se atendia precariamente aos feridos que acabavam morrendo, em sua maioria, por falta da atenção adequada. Os bombardeios eram terríveis a ponto que se criou, até agora, um ódio fatal contra os aviadores ou tripulantes da Força Aérea Nacional, do ditador, aos que chamávamos de genocidas, os quais eram os responsáveis por lançar os seus mortíferos artefatos desde o alto, não se importando se lá embaixo tinham civis indefesos ou não. Além das perdas humanas, as materiais também foram muitas. Quarteirões inteiros com casas foram arrasados com os bombardeios.
Escrevo isto, como alguém que já viveu “algo parecido”, em suas devidas proporções, pois as bombas daquela época eram os chamados “rockets” que hoje estão obsoletos. Estas nem tem comparação com as bombas, com maior poder de destruição e morte que são usadas contra a população civil da Síria. E o que dizer sobre as armas químicas? È um milhão de vezes pior!